Filme: A Escolha Perfeita 3


Filme: A Escolha Perfeita 3
Título Original: Pitch Perfect 3
Lançamento: Abril de 2018
Duração: 1 hora e 36 minutos
Gênero: Comédia, Musical
Distribuidora: Universal Pictures
Nota: 2,5 de 5

Se você acompanha o blog tem um tempo, vai lembrar que já resenhei os 2 primeiros filmes de a " A Escolha Perfeita". Faltava apenas um, e cá estou eu para falar dele.  Mas antes de tudo, vamos falar do enredo do último filme que encerra a trajetória das Belllas. As Bellas agora, estão formadas e pouco felizes com o que fazem após o fim dos estudos. Com trabalhos infelizes e mal renumerados, elas veem uma oportunidade de se reunir novamente quando Chloe oferece uma oportunidade para participar da USO TOUR, uma turnê que as leva para diferentes lugares e entreté, as forças armadas. Lá, elas descobrem que na verdade tudo se trata de uma competição e que uma oportunidade gramde pode surgir já que o super artista Dj Khaled procura um artista para abrir sua turnê. As Bellas enfrentam novos desafios com novas músicas, já que agora a competição é diferente e não somente com a voz. Conseguirão elas uma oportunidade de ficar juntas ou se despedirão?

Vou começar dizendo que esperava muito mais desse filme. Assistindo os dois primeiros, me pareceu que esse filme foi meio preguiçoso em questões de roteiro e que as Bellas mereciam uma despedida muito melhor. É claro, que o repertório está renovado, as músicas continuam boas, mas a história em si não é tão envolvente. Muitos elementos bobos e clichês foram colocados nessa história, além de um exagero cômico demasiado em cima da personagem "FAT AMY". Ela literalmente, é uma personagem que é usada para causar risadas, e não consegue ser tão engraçada assim neste filme. Talvez pelo forçamento de cenas que não faziam nenhum sentido, em vez de focar na última competição das Bellas juntas e nos laços de sua amizade. Confesso, que fiquei um pouco decepcionada. Foi um filme morno, para uma encerrar uma história cheia de músicas boas, e boas apresentações para um filme mediano, que peca em muitos quesitos e não empolga tanto como os anteriores. É realmente uma pena.






 Agora formadas, Beca (Anna Kendrick), Fat Amy (Rebel Wilson), Chloe (Brittany Snow) e as demais Bella Bardens estão infelizes devido a trabalhos mal remunerados e pouco motivadores. Diante desta situação, elas decidem se unir mais uma vez como grupo a capela para participar do USO Tour, uma turnê que as levará para apresentações na Europa. Lá, elas precisam duelar com grupos musicais que tocam instrumentos, algo que jamais haviam feito até então.



Texto: O que você não pode responder



Sei que já passou muito tempo, mas eu tenho algumas perguntas que não foram respondidas. Eu era muito jovem para ter o coração quebrado. Sim, eu sei que eu corria o risco. Sim, eu sei que uma hora eu poderia quebrar meu coração. Mas você se importou? Você ligou? Por que você não se importou?  Esses não são nem mesmo metade dos meus questionamentos. E eu sei que não deveria ligar. E eu sei que já deveria ter me convencido que essas perguntas não vão ter resposta. Mas mesmo assim não posso deixar de me questionar quando as lembranças invadem minha mente com força. Quando mais uma vez me condeno por ter confiado em você. Por ter acreditado que as coisas pudessem ser diferentes. Mas que boba eu sou por acreditar que as coisas realmente tivessem mudado. Você sabe muito bem a influência que teve sobre minha vida, sobre meus sentimentos e sobre mim. Eu te dei tudo que pediu e muito mais. Minhas lágrimas, meus sentimentos, meu sangue e minha confiança. No final, só ficou meu coração e por pouco você não levou ele contigo também. E se tivesse levado como eu estaria agora? Como eu estaria respirando, como eu estaria sobrevivendo? Aposto que você não saberia me responder. Aposto que você não saberia o que dizer. 

Não foi você que sentiu o coração quebrar dentro do peito. Não foi você que se viu transformada drasticamente em alguém que desconfiava de cada pessoas que aproximava. Que tinha inseguranças bobas que controlava fortemente para que não percebessem. Eu nunca mais fui a mesma depois de você. Você me transformou em algo que eu nem ao menos sei dizer o que é agora. Antes, eu não tinha problemas em confiar tanto em alguém. Antes, eu não tinha problemas em gostar tanto de alguém. O que foi exatamente que você fez? Eu estive ao seu lado quando todo mundo me dizia pra estar contra. Eu fui contra tudo que eu concordava para acreditar que você valia a pena, para acreditar que aquilo era verdadeiro. Você desistiu mais rápido do que eu esperava. Quer dizer, eu não esperava. Não mesmo. Tanto que fui inconsequente e fiz coisas fora do meu alcance pra ter de volta. Coisas das quais me arrependo agora. Coisas que eu sei que não faria de novo sob nenhuma circunstância.  Me diga quem você acha que é. Me diga por que achou que teria o direito de tirar meu estado de espírito e trazer a tona lembranças que eu nem queria reviver. Só pra depois fazer o mesmo que fez. Só pra depois me fazer me odiar por ter dado o espaço que você queria. Por ter dado um fiapo de confiança pra você pelo que tínhamos vivido. Eu estou aqui. 



Eu fiquei aqui quando você virou as costas e me deixou sozinha em um dos piores momentos da minha vida. Um dos momentos que eu não queria ficar sozinha. Você sabia disso. Você sabia mais do que qualquer um já soube. E isso te faz o mais babaca de todos. E isso te faz o pior de todos. E isso te faz o meu maior arrependimento. Então, eu tenho algumas perguntas pra você. Eu tenho questões que nunca serão resolvidas. Foi culpa minha? Sente minha falta? O que sentimos foi verdadeiro? Chega de me questionar. Chega de lembrar de alguém nem ao menos merece ser lembrado. E sim, eu fui verdadeira. E sim, eu fui o melhor que eu podia ser pra você. Não foi o suficiente. E não teria sido por mais que eu mais me esforçasse. Era pra ser assim. 

Resenha de Livro: Desperta ao Amanhecer

 


Livro: Desperta ao Amanhecer
Saga: Acampamento Shadow Falls Vol 2
Autora: C.C. Hunter
Ano:2012
Páginas: 352
Editora: Jangada
Nota: 3 de 5

Kylie Gallen continua sua busca por sua identidade no acampamento Shadow Falls. Ela sabe que é uma sobrenatural, mas o que ela é exatamente? Essa é a pergunta que ela se questiona e que a atormenta enquanto mudanças em si ocorrem e poderes começam a aparecer. Um dos seus dons, que é conversar com fantasmas, lhe dão um aviso que ela tem que impedir algo que vai acontecer, antes que seja com alguém que ela goste, mas Kylie não sabe por onde começar a decifrar essa mensagem. Além das dúvidas que a rodeiam, Kylie também tem os dilemas amorosos. A interminável dúvida entre Lucas, um lobisomem que ela conhece desde pequena ou Dereck, um Fae pra lá de atraente que ela conheceu no acampamento. Kylie parece não conseguir decidir, não saber o que é e lidar com os novos poderes que parecem aparecer e apontar para um lado sem saída. Agora, Kylie vai enfrentar mais obstáculos e irá atrás de respostas de sua verdadeira família.

Esse livro é continuação do primeiro " Nascida a meia noite" que já tem resenha aqui no blog. Vale lembrar que este livro é o segundo volume de uma saga de 5 livros. Kylie Gallen continua confusa. A trama ainda se foca na busca da personagem em descobrir o que ela é, e conforme o enredo vai se desenvolvendo você sofre junto com a personagem querendo saber o que ela é. Conforme suas habilidades vão aparecendo, a autora vai conduzindo para certos lados e traçando essa mesma condução com as dúvidas da personagem. É angustiante ver Kylie sem um lugar específico no acampamento, já que ninguém parece saber quem ela é. Com poucas pistas, Kylie descobre que seu pai verdadeiro já faleceu e ela tenta buscar respostas com sua mãe. Holidar, líder do acampamento é uma figura pra lá de importante na história de Kylie, já que ela também quer ajuda-la a saber o que ela é. Com suas melhores amigas Della (vampira) e Miranda (bruxa) Kylie se vê cheia de angústias enquanto enfrenta perigos e descobre mais segredos com relação a si mesma. E não poderíamos deixar o dilema amoroso de fora. 

Neste livro, Kylie se aproxima mais de Dereck, já que Lucas resolve ficar longe do acampamento por um tempo. Mas, mesmo sentindo uma terrível atração por Dereck, Kylie não consegue tirar Lucas de sua cabeça. Ela descobre que além de se comunicar com fantasmas, pode ter sonhos lúcidos e ir até a pessoa em seus sonhos. Depois de passar um sequestro de um terrível vampiro que quer algo específico dela, Kylie parece finalmente ter respostas quando está pronta para conhecer seus supostos avós. Mas, se tudo fosse fácil assim, a saga não teria 5 livros. Esse livro se foca nas novas habilidades de Kylie, o modo que ela lida com isso e como se envolve amorosamente mesmo tendo várias e várias dúvidas. A autora sabe ser objetiva nos diálogos, retratar bem  as angústias de Kylie em sua vontade de descobrir o que é, e suas dúvidas com relação a tudo. O livro é muito bom e te deixa com vontade de ir até o fim. Afinal, o que os fantasmas queriam dizer com a mensagem pra impedir que alguém que ela ama morra? Desperta ao amanhecer é leitura obrigatória se você leu o primeiro livro, e mantém o ritmo de uma história juvenil de fantasia muito boa. Recomendo.





Kylie anseia por descobrir sua própria identidade sobrenatural e o que seus poderes significam. Agora ela vai precisar deles mais do que nunca, porque está sendo assombrada por outro espírito, que insiste em dizer que alguém que ela ama morrerá antes do final do verão. Se ao menos Kylie soubesse quem ela precisa salvar e como... Mas a maior causa de seus problemas são os dilemas do coração. Kylie sabe que precisa decidir entre Lucas, o lobisomem que conheceu quando ainda era garotinha, e Derek, um fae muito atraente, para não correr os risco de perder os dois. Mas o romance vai ter que esperar, porque alguém do lado sombrio do mundo natural se esconde em Shadow Falls.






Filme para Assistir: Como ser Solteira


Filme: Como ser Solteira
Título Original: How to be Single
Lançamento: Fevereiro de 2016
Duração: 1 hora e 50 minutos
Gênero: Comédia Romântica
Distribuidora: Warner Bros( disponível na Netflix)
Nota: 4 de 5

Esse filme me surpreendeu muito positivamente sabe? Não esperava tanto assim dele quando li a sinopse, e fui um pouco influenciada pelo elenco (Dakota e Rebel). Mas eu gostei MUITO do que foi apresentado. Antes de entrar no assunto,  quero falar do enredo do filme pra vocês. Pra mim, o enredo do longa são de 4 mulheres diferentes, mas que lidam com o mesmo assunto: ser solteira. Com personalidades diferentes e ideais diferentes, as quatro encaram as coisas de sua forma única. Alice é uma jovem que acabou de terminar um namoro de anos por não saber como é estar solteira. Ela queria ter a certeza de que aproveitou tudo e de que aquilo era realmente o que ela queria. Então ela se muda, entra em um novo emprego e conhece Robin, uma garota das  nights. Robin curte ser solteira sem medidas e sem rótulos. Vivendo cada instante. Bebendo, indo a festas, acordando com várias pessoas diferentes durante os dias e sendo sempre feliz. Do outro lado temos a irmã de Alice, Meg que é uma médica obstetra que ajuda a trazer várias vidas ao mundo. Mas, ela se convence que não precisa cair nesse padrão de engravidar. Até que muda de ideia, e decide fazer inseminação artificial, sem nem conhecer o doador. Convencida de que ela pode lidar com aquilo sozinha, ela acaba encontrando alguém inusitado no caminho e tenta se afastar mas acaba percebendo que as vezes as coisas são como devem ser.  E por último temos Lucy, a doida dos encontros que quer encontrar alguém desesperadamente, casar, ter filhos e já tem vários e vários planos. Cadastrada em vários sites de namoro, ela se convence de que o cara pra ela está por ai. 4 mulheres que encaram o mesmo assunto de forma diferentes e contam suas histórias.

Esse filme me trouxe um misto de sensações e sentimentos. Lidar com o status "ser solteira" é bem complicado. Principalmente, para aqueles tipos de pessoas que acham que a mulher não pode viver sozinha e se vive com certeza é infeliz. Como ser solteira passa uma mensagem importante de várias formas, até porque as pessoas são diferentes e levam pra si o mesmo assunto de formas diferentes. Como ser solteira nos mostra que precisamos de um tempo sozinha e está tudo bem. Que estar só, significa fazer as coisas que você gosta sem ter tanta dor de cabeça. Talvez ir a academia, ou fazer aquele passeio que nenhuma pessoa toparia, mas você morre de vontade de fazer. Aquele momento em que você está sozinha verdadeiramente. Alice é uma das personagens que descobre isso durante o longa, se separa do namorado, descobre novamente como é estar solteira, tem transas casuais, pede pra voltar pro ex e descobre que ele está com outra, conhece outra pessoa, leva um fora e finalmente se toca de que sozinha está tudo bem. Tá tudo ok. E vai fazer aquilo que ela gosta de fazer. E isso, é muito foda cara. A personagem da Rebel também expressa muito isso, ela gosta de festas, e de beber e de ser louca, de se divertir do jeito dela e não quer estabilidade. E não tem nada de errado com isso. Alice quer ficar sozinha. Robin quer aproveitar a vida. Meg que achou que sozinha estaria melhor, encontrou alguém que dá todo o suporte que ela precisa e Lucy depois de muitos tombos acaba se casando com um cara que parece perfeito. Percebem como cada uma absorveu o tema de uma forma? É assim que somos. Diferentes. Mas, a mensagem central desse filme é, e dai se você está sozinha? A solidão nos assusta tanto que pensamos em voltar pro ex, festejar muito, beber, ficar com várias pessoas diferentes e está ok. Cada um faz o que quiser, esse é o ponto. O que não se pode é se deixar assustar tanto esse termo, que você não seja capaz de ser feliz. Do modo que for. Sendo sua melhor companhia. Se divertindo muito. Isso que é bacana. O roteiro se desenvolve facilmente com o passar do longa e a mensagem é entregue. Gostei muito da história ter sido focada em quatro personagens diferentes, de um modo paralelo. Além da parte cômica com a Rebel Wilson que fez dar várias risadas. A Dakota Johnson me surpreendeu bastante como atriz nesse filme e fez um ótima par com a Rebel. Como ser solteira é um filme super bacana, que te faz dar risada, lembrar de situações familiares, e sensações também. Mas, te faz refletir sobre estar só e como as pessoas encaram isso. Na verdade, como você encara isso que é o que realmente importa. Recomendado.




Alice (Dakota Johnson) acabou de sair de um relacionamento e não sabe muito bem como agir sem outra metade. Para sua sorte, ela tem uma animada amiga (Rebel Wilson) especialista na vida noturna de Nova York, que passa a ensiná-la como ser solteira.




Texto: Meu próprio inferno


Passei por muitas transições até chegar nesse estado. De verdade, notei que eu não podia mais. Pensei que era errado ter te amado, depois de todos os erros, todas as mentiras, toda a dor que você me causou. Eu te amei, de verdade. E não me arrependo de ter sido sincera e entregue até onde eu pude. Talvez agora eu tenha percebido, que a gente ama sim certas pessoas, mas tem que deixa-las por mais que isso doa.  E doeu como um inferno. Foi como uma explosão de um coração partido. Palavras bonitas que eu quero ouvir e promessas de uma vida feliz e perfeita que está longe de acontecer já não adiantam mais. Eu não acredito mais nas palavras que saem da sua boca. Literalmente, nada. Você cavou um abismo com suas mentiras, desculpas e me empurrou pra dentro dele. Quando lhe estendi a mão para me ajudar a subir, você simplesmente me deixou afundar mais. Nos momentos que mais precisei. 

Me enterrando viva em um monte de dores, lágrimas, noites mal dormidas, desespero e uma incerteza de dúvidas sem saber se eu conseguiria continuar. E mesmo assim, algo não me deixava parar. Não conseguia desistir de você. Me disseram uma vez brincando que você jogou um feitiço em mim para que não desistisse de você. E agora, parece mais do que real. Percebi que alguns momentos foram sim bons, mas a maior parte deles me causava dor. Então, não você não era bom pra mim. Passei a mão na sua cabeça diversas vezes. Fiquei te deixando ter tudo e nunca perder nada, pra você insistir no mesmo erro e arranjar desculpas novas. É, eu tive parte da culpa. Te permiti fazer isso várias e várias vezes.  Quis me retirar, mas você apelou pelo que eu sentia e eu fiquei. Usou dos seus truques e desculpas, e eu não resisti. Você sabia que eu não resistiria. Me fez brincar com fogo, prometendo me proteger das chamas. Me garantindo que eu não me queimaria, que não doeria. Foram apenas palavras, fiquei no meio dessas chamas sozinha. Quando as queimaduras vieram, elas arderam e ainda estou tentando cura-las sozinhas. Estava com sérios problemas, apaixonada por um tipo de diabo. Essa só pode ser minha conclusão, depois de ter ficado e perdoado você depois de tantas merdas. Depois de ter acreditado em cada desculpa furada. Nas lágrimas, nos choros, nos pedidos de você me implorando pra não te abandonar pois eu era tudo que você tinha. No final, eu não fui. 

E o seu feitiço era tão grande que me cegava. De uma maneira que mesmo que eu soubesse que era verdade, eu preferia acreditar nas suas mentiras. Porque eu te amava. Porque eu queria estar contigo. E foi ai que literalmente entrei no inferno. E você tinha o poder sobre mim. Sabia o que eu queria ouvir, me iludia com planos que nunca aconteceriam.  Nuvens sombrias sempre pairavam sobre mim, sempre me via em lágrimas. Sentindo sua falta, me limitando porque prometi minha fidelidade. Porque dei minha palavra. E a cumpri, até o fim. As queimaduras me acordaram desse feitiço. Em pura ardência. Estavam em carne viva. Só quero me libertar e encontrar a paz. O paraíso em que eu possa sentir minhas queimaduras curando-se. Meu coração em paz e a certeza de que o amor de verdade me encontrará. 

Dedicado a B.A.S

Especial Livro X Filme: O Segredo de Emma Corrigan/ Pode guardar um segredo ?

Filme: Pode Guardar um Segredo?

Título Original: Can You Keep a Secret?

Gênero: Comédia Romântica

Duração:  1 hora e 35 minutos

Nota: 3 de 5

Onde Assistir: Amazon Prime ou Vizer TV (Clique Aqui)

Baseado no livro " O Segredo de Emma Corrigan" de Sophie Kinsella

Assisti esse filme sem muita pretensão, e em primeiro momento nem tinha me tocado que o longa era baseado em um livro, e ainda mais da Sophie Kinsella. Pra quem não sabe, outro livro da autora que virou filme foi o " Delírios de Consumo de Becky Bloom" que agradou muita gente. Eu já lia os livros da Sophie, e sempre curti o jeito que ela escreve as histórias com uma pegada mais comédia e misturando romance de uma forma mais leve. Mas, antes das minhas considerações, vamos falar do filme, e ali mais embaixo do livro( que tem algumas diferenças).  Emma Corrigan acaba de sair de uma reunião de trabalho e acha que estragou tudo. Frustrada por sua insatisfação com o trabalho, e tentando não deixar seu medo de voar de avião domina-la, Emma acaba passando por uma turbulência. Crente que está prestes a morrer, ela acaba desabafando sobre seus segredos ao passageiro estranho que está sentado ao seu lado.  Envergonhada, mas crente que nunca mais irá ve-lo, Emma segue sua vida. Mas, tudo acaba mudando quando no dia seguinte, em seu trabalho ela descobre que o cara para quem contou todos os seus segredos é nada mais nada menos que o fundador da empresa e seu chefão. Agora, Emma enfrenta situações hilárias com seu chefe que acaba transformando a relação deles e rendendo boas risadas.


Vamos falar do livro logo ali embaixo, então vou fazer minhas considerações sobre o filme sem considerar o livro. Eu curti muito. Pode guardar um segredo é a típica comédia romântica leve, que acontece de uma forma muito calma e rende boas risadas. Confesso que o longa me surpreendeu, não esperava tanto dele. Inclusive, outra surpresa foi a atuação da Alexandra Daddario em um papel mais comico. Gostei de ve-la atuando nesse aspecto e a química dela com o ator principal funciona bem. O longa foca mais na parte engraçada do que no romance propriamente dito, mas como mencionei as coisas vao se desenvolvendo de uma forma bem leve. Achei engraçado o modo como tudo foi inserido, ou como os segredos revelados de Emma são mostrados durante as ações do longa combinando com a fala do personagem que a confronta. É aquele típico filme gostoso de ver que você poderia assistir mais de uma vez sem nenhum problema.  É simples, leve e sem forçar. Personagens bons, história equilibrada e um enredo com ritmo calmo. Eu gostei. De verdade.








Agora, vamos falar do livro que o filme se baseou....


Livro: O Segredo de Emma Corrigan
Autora: Sophie Kinsella
Ano: 2005
Páginas: 384
Editora: Record
Nota: 4 de 5

Agora sim. Vamos comparar o livro ao filme. Não vou falar novamente do enredo, porque ele é o mesmo do longa. Se você já leu os Delírios de Consumo de Becky Bloom, com certeza vai sentir a familiaridade com relação ao estilo de escrita da autora. É simplesmente super divertido ler os livros da Sophie. Ela consegue criar personagens naturalmente engraçados e isso acontece com Emma. Eu comecei a rir nos primeiros capítulos do livro. Por conta disso, o livro vai seguindo de uma forma muito envolvente. A autora consegue colocar doses de humor, loucura e momentos embaraçosos junto com um romance muito leve. A história é muito boa, ao mesmo tempo em que ela parece não ter nada de tão especial, ela acaba sendo muito mais interessante do que poderíamos esperar. 

Como é de se esperar em adaptações, muita coisa é modificada do livro para a tela quando um filme baseado em livro é lançado. E esse livro não escapa disso. A diferença é que os elementos modificados são bem pequenos. Bem pequenos mesmo. Obviamente, algumas partes foram deixadas de lado para que o longa talvez tivesse outro foco, mas de uma forma geral diria que o livro foi muito bem adaptado com relação a história do filme.

É claro que o livro é bem MELHOR e muito MAIS detalhado que o longa. Mas falando de questões de adaptação, esse livro conseguiu se sair bem e o longa puxou os elementos principais que fazem o livro ser incrível. No livro, apesar de não aparecer no filme, temos várias aparições da família de Emma, no qual ela tem uma grande insatisfação. Confesso que senti um pouco de falta disso no filme, nem que fosse em uma cena mais rápida. Mas pra quem vê o filme sem ler o livro, fica tudo numa boa. O mais legal do livro é que a Emma é engraçada naturalmente. Você consegue se identificar com suas gafes, seus segredos estranhos, suas piadas e suas insatisfações no trabalho e com relacionamentos. Ela é levemente divertida e te tirar sorrisos, que necessariamente não precisam ser gargalhadas mas que funcionam de uma forma muito efetiva.  É um livro leve, de uma personagem que representa muitas pessoas, afinal todos temos pequenos segredos e esses pequenos segredos saem a tona rendendo cenas pra lá de divertidas. Ressaltando também, que os diálogos com Jack também são muito engraçados. É uma leveza que chega deixa seu coração bem. Sem forçar, sem entediar é só se deixar levar pelas gafes da personagem e seu bom humor. É um dos meus livros favoritos. Amei, de verdade.
  
Quanto a adaptação, creio que o longa captou a sensação de leveza que o filme traz e que a própria personagem tem e isso me deixou feliz. Assisti o filme duas vezes. Uma, antes de ler o livro. Outra, depois de ler o livro para ver se minha visão mudaria, mas com certeza gostei do que vi. Muitas pessoas não curtiram o filme, mas eu acho que representou bem a obra da Sophia. É aquilo, sempre falta alguma coisa, mas não quer dizer que foi de todo ruim. Se você assistiu o filme e tiver oportunidade, leia o livro, vai te render ainda mais risadas. 






Em O Segredo de Emma Corrigan, Sophie Kinsella segue a receita que fez da série Os Delírios de Consumo de Becky Bloom sucesso de público - foram mais de 35 mil exemplares vendidos só no Brasil - e crítica. Com humor e muito charme, ela nos apresenta a Emma, uma inglesa perto dos 30 anos, mas longe de uma definição na vida. Na memória ela guarda situações ultraconfidenciais: como perdeu a virgindade enquanto os pais assistiam Ben-Hur na sala de TV, o que pensa sobre o namorado, as peças que prega nos colegas de escritório, seu peso real.

Funcionária Júnior da Panther Corporation, uma empresa de produtos energéticos e esportivos com filiais por toda Grã-Bretanha, Emma vai a Glascow participar da reunião de marketing sobre um novo refrigerante, a Panther Cola. O que parecia uma grande oportunidade profissional se transforma num pesadelo. Como se não bastasse ter derramado a bebida num superior, seu vôo de volta para casa quase cai. Em momentos de tensão as pessoas fazem as coisas mais estranhas. E Emma Corrigan não é exceção. Acreditando estar a um passo de uma morte trágica, ela conta todos os seus pequenos pecados para o passageiro ao lado. Afinal, qual a probabilidade de vê-lo de novo? Ainda mais com vida?

Mas o destino decide brincar com a protagonista: o avião pousa em segurança e o distinto cavalheiro nada mais é que o fundador e presidente da empresa onde trabalha. E além dos segredos pessoais, Emma abriu o verbo sobre todos os colegas da Panther e suas estratégias para enrolar no serviço. Para recuperar o respeito profissional - e voltar às boas com o pessoal do escritório - Emma se mete nas situações mais inusitadas, quase novelísticas. Mas com as quais todas as mulheres acabam se identificando.



Eu assisti : Boneco do Mal 2


Filme: Boneco do mal 2
Título Original: Brahms : The Boy II
Lançamento: Sem data oficial
Gênero: Suspense, Terror
Duração: 1 hora e 28 minutos
Distribuição: Galeria
Nota: 2 de 5

Quem acompanha o blog, sabe que eu já falei do primeiro filme do Boneco do Mal. O primeiro filme já não foi tão bom assim, a ponto de ser tão assustador e chegar ao sucesso de Annabelle.
 Sabe aquelas continuações que não deviam existir, por que não tem razão pra isso? Que ao invés de ajudarem, acabam prejudicando ainda mais uma franquia ou relacionado? É o que acontece com esse filme. Boneco do mal 2 é totalmente desnecessário. Se você assistiu o primeiro longa, com certeza se lembra que o mesmo terminou de uma forma fechada, sem gancho para um segundo. Mas, aqui o roteiro do filme deu um jeito de reviver a história para que esse filme causasse um pouco mais de tensão ou suspense.  Uma família que se muda para uma mansão que tem como histórias anteriores horrores em seu passado. O filho deles que não fala há anos por um trauma, acaba encontrando um boneco que vira seu melhor amigo. Os pais acreditam que o boneco esteja ajudando no processo do menino para melhorar, mas acontecimentos estranhos começam a ocorrer, quando o boneco parece querer influenciar o menino para fazer outras coisas.

Aqui é muito claro, a tentativa foi reciclar a história do primeiro filme tentando chegar perto de uma história de boneco amaldiçoado tipo Annabelle que causa medo. Mas, infelizmente não chega nem um pouco perto disso. Boneco do Mal  2 tem alguns pontos bons, mas não o suficiente para que o filme no geral seja considerado tão bom. Nem mesmo com a Katie Holmes no elenco. O destaque talvez saia para o menino que interpretou o filho dela, mas ainda assim o roteiro se perde completamente ao entregar uma história batida, fraca e que usa de elementos já conhecidos para causar tensão. Coisas como o boneco se movendo de lugar, ou se redirecionando para fazer certos movimentos. Ficou meio sem noção. Primeiro, porque no filme 1 nunca foi um boneco amaldiçoado e sim um cara que vivia dentro das paredes. Aqui, o roteiro tenta explicar novamente isso, reforçando alguns pontos e falando no tal espírito do jovem . O que não funciona nem um pouco. O boneco do mal 2 não era necessário, e não causou nenhum tipo de comoção no gênero que é ambientado. Não causa medo muito menos agonia. Os números comprovam isso, já que o filme foi totalmente fraco em bilheteria e teve críticas pesadas da imprensa. É, nesse caso eles tem razão. Esse filme peca. E passa despercebido em seu gênero.





Em Brahms: Boneco do Mal II, Liza (Katie Holmes) e sua jovem família se mudam para a Mansão Heelshire, em uma pequena vila na Inglaterra sem saber que a propriedade possui um passado de histórias aterrorizantes. Quando seu filho encontra um amigo no realista boneco Brahms, estranhos acontecimentos passam a cercar suas vidas de terror.



Texto: Você vale a pena?


Quando sua dor está latente, você realmente se convence de que não passará. E dói em todas as partes do corpo, você chor, quer o fim do mundo e nem sabe bem se conseguiria continuar. Mas, em algum momento que você não sabe qual, as coisas acabam aliviando. Escutei seu nome, pensei em você esses dias. Mas, não senti vontade de chorar. Apenas fiquei chateada. Por todos aqueles momentos terem se esvaído. Só não quero que venha me dizer que eu sou difícil de agradar. Ou que não fiz o suficiente. Não permitirei me sentir culpada de novo. Fiz tudo que podia. E agora, isso está mais que claro. Não diga que fez o possível, e que cansou de lutar. Porque nós dois sabemos que isso não é verdade. Eu valho a pena. Tenho repetido isso pra mim todos os dias. Depois de você foi como se eu não enxergasse uma saída, não enxergasse uma luz. E por isso, pensei que não fui suficiente pra ti em algum modo. Mas, eu fui. Eu tentei. Então, você é louco se pensa que agora eu não enxergo isso. Eu sou valiosa, tenho várias qualidades. E defeitos também. Mas, valho a pena. Demorou para que eu pudesse te deixar ir. Ou ir embora, mas agora sinto que posso ir e me reabrir para um amor que realmente me ame e que me dê o que eu realmente mereço. Eu sei que valho a pena. 

Foi demais pra você olhar nos meus olhos e me dizer a verdade. Era mais fácil arranjar desculpas ou dizer algo grosso porque sabia que me magoaria. Acabou cansando ser um contatinho, esperar uma mensagem, chorar por não ser respondida ou sentir alguma preocupação vinda da sua parte. O pior foi que eu sempre fui aberta contigo.Você tinha em mãos tudo. Eu te dei tudo, falei de tudo. Era simples. Era só ter me ouvido. Mas, de verdade. Isso é o mais ridículo de tudo. Se é isso que você quer então, posso dizer da forma mais calma possível que terá que encontrar outra pessoa. Uma vez, ouvi dizer que pra seguir em frente, você precisa queimar a ponte entre você e aquela pessoa, senão você acaba ficando no meio e recuando, e isso te faz sofrer ainda mais. Você tem que querer. E agora, eu quero. 

Mas é de verdade. Antes, as palavras saíam da minha boca, mas eu recuava toda vez que me sentia triste. Me apoiando você, mesmo que todas as vezes você me deixasse cair. Meu coração não entendeu isso, e isso acabou se tornando um dano. Um tipo de dano permanente. E agora, vou ter que tomar cuidado com todos os efeitos colaterais desse dano. Eu me apoio em mim mesma. Foco naquilo que quero. Passo a ver as coisas de outra forma. E principalmente tento cuidar do meu coração, não mais matrata-lo porque não sei como ele ainda bate dentro do meu peito. Eu sei que valho a pena, mas a grande questão você vale a pena?

Dedicado a B.A.S


Topo