Texto: Conseguiu o que queria?


Você conseguiu o que queria, não conseguiu? Perdi mais de 365 dias me alimentando de uma falsa esperança. Esperança essa que você me dava sem se preocupar com o que eu sentia. Mudando suas falas todo o tempo, achando que não era nada demais. Durante este tempo, não pude enxergar seu coração, mas você viu o meu e ele está mais ferido do que costume. Você sabia de tudo desde que começou, sabia o que estava fazendo e como eu estava. Isso não te impediu de ir em frente. Sabia que eu perderia mais de mim e ficaria ainda medrosa do que já era. Eu tentei disfarçar as cicatrizes, tentei cuidar delas e tapa-las até que tudo ficasse bem de novo. Mas elas doem todas as malditas vezes que eu lembro de você. 

Das nossas conversas, dos meus braços em torno da sua cintura e de achar por um momento que as coisas estavam certas como não estavam em muito tempo. Parece que algo me prende a você e que por mais que eu queira não posso me soltar. Ainda olho o celular procurando alguma notícia sua e quando não visualizo nada meu coração se contorce mais um pouco. Onde você foi parar? Você poderia ter me salvado mas tudo que conseguiu foi me afundar cada vez mais um pouco. Mudando de assunto, dizendo que me adora mas no fundo nem ligando pro que acontece. Meu Deus, eu tento tanto. Eu tento e não estou conseguindo dizer não pro meu coração que quer te chamar de volta a qualquer custo. Eu sou a dor, e você é um remédio falso que finge que me curar por um certo tempo só pra me fazer sentir idiota por ter me enganado. Quando penso que estou imune, é só dar uma provada e estou de volta ao começo. Dopada, dependente de você como se nada tivesse acontecido. Maldição. Não consigo dizer não. Não consigo sem doer demais. Uma mariposa indo e direção a luz. Uma luz que sabe que vai machucar. Uma luz que tira toda a sanidade. Nunca estive tão frágil como agora. Estou sendo consumida por sua falta. 

Estou completamente coberta de estilhaços. Queria saber de que jeito posso te odiar. De que jeito posso apagar tudo isso. As correntes estão tão apertadas, me dá apenas o suficiente para que eu continue acreditando que algum dia isso dará certo. Fazendo planos na minha cabeça, imaginando cenas de um futuro distante que nunca vai acontecer. Eu tento fugir. Já tentei fugir, já tentei ficar longe. Mas dói tanto cada vez que eu fico longe, cada vez que não nos falamos que age como se eu fosse estranha. Meu deus, estou tentando e não consigo dize não. Não dá. Não posso. Não há nada que eu possa fazer por mim agora. Então, eu te pergunto. Conseguiu o que queria. não conseguiu?

#Filme: A Incrível Jessica James

Filme: A Incrível Jessica James
Título Original: The Incredible Jessica James
Duração: 1 hora e 25 minutos
Lançamento: Junho de 2017
Gênero: Comédia, Romance
Distribuidora: Netflix
Nota: 3 de 5

Assisti esse filme MUITO por acaso enquanto estava navegando pela Netflix. Dei uma lida na sinopse do filme e pensei " Ok,vamos dar uma chance" e até que me surpreendi. Confesso, que tentei assistir esse filme 3 vezes. Na primeira eu desisti. Na segunda, eu dormi. E na terceira quase que eu desisto por achar que o filme não ia ser tão lega, mas como sou daquelas pessoas que não gosta de começar algo e não terminar fui até o fim e até que gostei do que foi apresentado. Mas antes de falar o que eu realmente achei do filme, vamos lá falar do enredo? Jessica James é uma dramaturga de Nova York que está em busca de ascensão. Com uma pilha de cartas rejeitadas, Jessica continua tentando achar seu caminho escrevendo peças para roteiros de teatro e enquanto isso tem uma classe de crianças que ela busca incentivar a mesma arte. Jessica também acabou de sair de um namoro recente e simplesmente não consegue superar o ex, sonhando e fantasiando com ele ou até indo em encontros desastrosos. E nesses encontros que ela conhece Boone, um cara divorciado que se impressiona muito com Jessica, mas ela nem tanto por ele, já que a mesma tem certeza de que não passaria de algo casual. E ai eles acabam se envolvendo de uma forma engraçada, enquanto ela tenta superar o ex e correr atrás do seu sonho de escrever roteiros pra teatro.

Esse filme me rendeu algumas surpresas. Como mencionei ali em cima não achei que ia gostar tanto dele quando o mesmo começou já que achei que a história seria conduzida de uma outra forma e o que aconteceu foi uma comédia bem bacana com uma personagem diferente, espirituosa e muito engraçada. Dá pra se identificar em vários pontos com a  Jessica e isso foi um dos pontos que me fez gostar muito do filme. Ela sofre mas ao mesmo tempo faz disso algo engraçado ao mesmo tempo em que acho ela bem forte e decidida. O modo como ela interage e tenta superar o ex são bem interessantes de ser ver desenrolando no longa, assim como o novo relacionamento que surge enquanto ela vai em busca de seu sonho. Não é aquele filme super amorzinho, nem aquele filme mega engraçado mas é um filme bacana e fluído na medida. Com uma dose de comédia e de romance. O desenvolvimento no geral é bom, e  mesmo o filme dando a entender que em alguns pontos iria para um caminho mais tedioso, ele se manteve no nível normal trazendo uma ótima experiência para quem quer assistir um filme calmo, bacana e com uma personagem interessante. Eu gostei bastante. Dá pra se identificar, rir e curtir. Recomendo. Obviamente disponível na NETFLIX.







Resenha de Livro: Frozen/Um coração congelado

Livro: Frozen / Um coração Congelado
Autora: Elizabeth Rudnick
Ano: 2016
Páginas: 320
Editora: Universo dos Livros
Nota: 4 de 5

Esse é um daqueles tipos de livro que você tem faz um tempo, mas sempre deixa pra depois pelo simples motivo de "quero ler esse que vai ser bom depois" e foi exatamente isso que ocorreu. Pra você que não conhece o livro e nem sabe do que exatamente se trata eu peço muita calma. Frozen, um coração congelado conta EXATAMENTE a mesma história do filme. Aposto que você está ai pensando " Se conta a mesma história do filme, pra que um livro?" e eu te respondo que você está certíssimo em pensar isso entretanto este livro vai um pouquinho além do filme. Se você é fã dos filmes da Disney, de Frozen e de tudo que tem nesse universo aposto que essa leitura não vai escapar de você e acabará entrando na sua estante de queridinhos. O livro é dividido entre tempos e narrativas começando praticamente do mesmo jeito que a animação começa. Dando um vislumbre sobre  a infância de Anna e Elsa, o acidente, o afastamento de Elsa, a  morte de seus pais e o dia da coroação. A escrita da autora é muito desprendida, fluída e fácil de acompanhar.

 Depois de um certo ponto começamos a acompanhar a narrativa na visão de Hans ( o príncipe canalha) e Anna o que torna a história ainda mais interessante. A autora usou muito dos elementos citados no filme e no roteiro da história para escrever uma história totalmente parecida com a do filme mas dando apenas alguns detalhes a mais com relação a mesma. É muito interessante ver alguns momentos da vida de Hans, como a insatisfação com seus irmãos e seu pai que o via como um fracassado, sua ambição para mostrar que podia ser bom em algo e seus pensamentos passando desde de sua saída das Ilhas do Sul até a chegada em Arendelle. Me lembro de assistir o filme pela primeira vez e nem pensar que Hans fosse o tipo enganador para um príncipe ( que foge do padrão normal Disney). Mesmo que parecesse muito duvidoso o cara casar com a Anna do nada sem conhece-la direito, mas nos contos de fadas que amamos não é muito isso que acontece? Então, a Disney desconstruiu isso tudo mostrando que na verdade alguns amore a primeira vista não são de verdade e Hans se tornou rapidamente o vilão. 

No livro, temos uma visão muito mais aprofundada da cabeça, dos planos e pensamentos do príncipe que é muito ruim mas em alguns termos até compreensíveis. Uma das coisas que mais me encantou no livro é a forma com que a autora contou uma história já conhecida por todos de cor e salteado e a deixou de uma forma leve e bem estruturada colocando apenas alguns detalhes a mais, dando um complemento para quem já sabe a história. As partes musicais do filme não atrapalharam a narrativa da história que seguiu o mesmo ritmo do filme. A autora soube descrever bem sem muitos exageros e sem ser muito rápida todos os momentos da história. Você consegue se encantar ainda mais com esse livro e querer desesperadamente rever o longa. Se você espera um livro com alguma história inédita ou alguma inovação sugiro que nem considere essa leitura. O livro é exatamente em alguns pontos a forma escrita e idêntica do filme mas com um entendimento maior e compreensível para alguns personagens e alguns momentos que necessitavam de uma visão e de um cuidado maior. Uma leitura encantadora e leve cheia daquela magia Disney que sentimos nos filmes. Vale muito a pena se você for fã do filme e da história. Recomendo muito.










O amor é uma porta aberta, ou pelo menos era nisso que Anna acreditava. Frozen: Um Coração Congelado conta a história de uma jovem e solitária princesa chamada Anna, que esteve isolada do mundo por boa parte de sua vida. Até que, certo dia, ela encontra o belo príncipe Hans, e por ele se apaixona. A princípio, parece que os sonhos de Anna finalmente se tornaram realidade. Afinal, pelo menos ela achou alguém para amar. Porém, assim que as reais motivações de Hans vêm à tona, o conto de fadas começa a desmoronar e Anna descobre que o amor verdadeiro é mais poderoso do que ela poderia imaginar.




Texto: Tudo que eu senti depois de você


Não passou muito tempo desde que decidi de uma vez por todas e definitivamente me afastar de você. As inúmeras tentativas que não deram certo me fizeram acordar finalmente, e aceitar que a dor que você me causava já havia ultrapassado todos os limites. Seria mentira dizer que te esqueci. Muitas vezes me pego no celular olhando pro seu número, mas dessa vez a vontade de merecer alguém melhor foi maior. Por muito, muito tempo eu achei que você fazia tudo certo, que talvez a culpa fosse minha e eu pudesse consertar as coisas. Por mais que eu quisesse que as coisas ficassem certas elas nunca se acertavam. Nada de mentira, nada de erros. Mas as desculpas aumentaram e a distância ficou maior quando percebi não podia mais te alcançar. E doeu, de verdade. Sem querer fazer drama, nem aumentar a história. 

Eu não sabia porque gostava de você mas eu gostava de verdade, inteiramente e sinceramente. Talvez eu estivesse louca, nessa época eu quase cheguei a te dar meu coração permanentemente. Então eu cai na real e percebi que a culpa não era minha e que minhas lágrimas caiam em vão. Você mostrou quem é realmente e eu percebi o quanto fui tola. Tão idiota pra perceber que tudo poderia ser simples. Tão idiota pra perceber que poderia ter me ganhado fácil e que poderia ter alguém do seu lado que realmente gostava de você. Tão idiota pra perceber o quanto estava me magoando e nem ser homem o suficiente pra se desculpar.  Meu querido, obrigada. Obrigada por ter estragado tudo, obrigada por ter me magoado e me feito rastejar atrás de ti. Com isso eu percebi que mereço muito mais, que posso ter mais que as migalhas que você me jogava. Eu cansei de ser machucada, de ter mais cicatrizes, de respirar fundo e fingir que nada acontecia. Eu devo ter chorado um milhão de vezes, manchado várias vezes meu travesseiro com minhas lágrimas.  Eu mesma fui tudo que eu tive no fim, depois de tudo a única com quem pude contar fui eu mesma. Foi tudo que eu encontrei e eu fiz um voto pra me lembrar que serei minha melhor amiga agora.

 Me disseram que eu devia ser mais forte e seguir em frente, mas ninguém me disse como, ninguém sabe como é se magoar desse jeito.  Eu queria e quis tanto ficar com você, diante de tudo e de qualquer circunstância. Agora posso dizer de verdade que não quero mais isso. Não depois de todas as palavras ditas, não depois de tudo. Você acabou sendo a melhor coisa que eu não tive. Minha dor ainda pode me incomodar mas o tempo passa depressa e o mundo dá muitas voltas. Em algum momento sei que sua ficha vai cair e quando esse momento chegar você vai se lembrar que eu sou a melhor coisa que você não teve e que perdeu a oportunidade. Aposto que deve ser uma droga estar no seu lugar e agir como você age. Você espera que eu vá me importar agora, mas isso não vai acontecer porque quem não sabe reconhecer as pessoas que gostam dela não merece as lágrimas caídas por elas. 
Eu ainda não estou totalmente bem, mas vou ficar. O tempo está sendo meu amigo e eu sei que uma hora ou outra ele vai cicatrizar tudo e vai fazer suas lembranças ficarem pra trás.

Resenha de Livro: A Garota no Trem

Livro: A Garota no Trem
Autora: Paula Hawkins
Ano: 2016
Páginas: 378
Editora: Record
Nota: 5 de 5

Desde que esse livro foi lançado as críticas positivas só cresceram e minha curiosidade também. Um tempo depois a adaptação do filme foi anunciada e lançada e ai eu assisti a mesma antes de ter a oportunidade de ler o livro e amei( se você não sabe como é o filme, clique aqui) e hoje finalmente venho aqui dar minha opinião sobre mais um livro adaptado para os cinemas. Acredito que eu não precise falar muito sobre a história do livro, já que o mesmo figurou entre os mais vendidos por várias semanas mas vamos lá: Rachel pega o mesmo trem todos os dias para ir supostamente ao trabalho no mesmo horário e ocupa o mesmo lugar: perto da janela. Ela gosta de observar as pessoas lá fora, mas principalmente um casal específico que mora em uma casa que ela costumava morar e com uma vida que ela costumava ter. Rachel bebe e tem apagões tudo para amenizar a dor da traição de seu ex-marido: Tom que agora vive com a amante na casa que eles moravam. Um fato interessante muda tudo quando a mulher que ela costuma observar todos os dias do trem desaparece. Rachel, que de algum modo em sua cabeça se sente conectada com ela acaba descobrindo alguns segredos meio sem querer sobre a mesma e acaba se envolvendo mais do que gostaria. Essa mulher aleatória é uma peça chave em outras relações que farão Rachel querer buscar uma resposta e a verdade.

Se tem um livro de suspense/drama bem escrito é esse. A autora está de parabéns porque posso bater palmas de olhos fechados. A Garota no Trem é brilhante e muito bem elaborado. A ideia principal se desenvolve de uma forma simples, mas deixa ganchos e conexões escondidas que se interligam e complementam conforme as coisas vão desenrolando. E como eu admiro autores que conseguem fazer com que a história no começo pareça uma coisa fornecendo apenas alguns detalhes e no final una os pontos que faltavam com os mesmos momentos e uma visão diferente fazendo com que o leitor se toque sobre o que há por trás daquilo. É isso que acontece com esse livro. Narrado sobre o ponto de vista de Anna ( a atual mulher de Tom, ex- de Rachel), Megan ( a garota que desapareceu) e Rachel a autora nos dá características interessantes sobre a mesma e as fazem interligadas por algo que a gente só percebe bem no final. Como é bom ler histórias que você nem ao menos imagina o que pode acontecer. As três personagens são muito diferentes, mas ao mesmo tempo tem muito mais coisas em comum do que qualquer outra pessoa. A leitura flui de uma forma muito interessante e não empaca em nenhum momento. 

A autora sabe fornecer as informações certas nos momentos certos deixando o leitor ávido por mais e por saber o que pode acontecer ali. Durante todo o tempo da leitura pensei na adaptação para o cinema e curti muito. O longa foi muito fiel ao que estava escrito no livro, tanto como captar os momentos mais importantes para que a história não ficasse mal explicada como para manter o clima da história. Pouquíssimas coisas foram alteradas da história do livro para o cinema e isso me deixou muito feliz. É um suspense que não tira o fôlego, mas te mantém preso ali até o final. Você quer saber o que vai acontecer. Você sente pena da Rachel, da Megan e até de Anna. Consegue compreender as dores de uma pessoa e o que certos machucados fazem na vida da mesma. Eu senti a dor de Rachel, a compreendi, tive suspeitas dela e no final a achei ainda mais corajosa do que pensei. Não vou falar muito mais para não soltar spoiler, mas um personagem ai é o fator principal pra TUDO que se desenrola e interliga essas três mulheres de um jeito muito laçado e inteligente feito pela autora. Uma história escrita de maneira brilhante e com o foco em não apenas um personagem mas em vários que se interligam e no final viram um só. Muito bem escrito, uma história muito boa. Leiam o livro apenas. E assistam o filme. Vale muito a pena. Se você não se rendeu ainda essa é a hora.









Todas as manhãs Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio por galpões, caixas d’água, pontes, casebres e aconchegantes casas vitorianas. Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes – a quem chama de Jess e Jason –, Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess – na verdade Megan – está desaparecida. Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos. Uma narrativa extremamente inteligente e repleta de reviravoltas, “A garota no trem” é um thriller digno de Hitchcock a ser compulsivamente devorado.





Série pra Assistir : Diário de Horrores

Série: Diário de Horrores
Título Original: Creeped Out
Lançamento: Outubro de 2017
Temporadas: 2
Status: Em produção
Distribuidora: Netflix
Nota: 3 de 5

Quando se começa a assistir Creeped Out é inevitável não lembrar de Black Mirror. Assisti essa série sem pretensão nenhuma porque na verdade pensei que a mesma abordava mais pro lado do terror e não foi exatamente isso. Bem, antes de me aprofundar na minha opinião vamos falar do enredo bem de modo geral já que cada episódio se trata de uma história específica. Um menino que usa uma máscara pra lá de esquisita é chamado de " O curioso" e coleciona histórias diferentes e únicas envolvendo sempre alguma lição por trás. E assim os episódios vão avançando com sempre alguma lição.

Diário de Horrores é uma série alternativa mais leve, já que Black Mirror traz um reflexão bem maior e mais intensa tocando em assuntos mais profundamente aqui vemos assuntos bacanas de serem abordados interpretados de uma forma mais leve e não tão intensa. A série pode parecer superficial em alguns momentos, mas a lição com certeza não deixa de ser passada através de cada episódio e isso pode-se notar ao final de cada um. Com uma pitada leve de suspense e realidade alternativas bem futurísticas com embasamento em valores importantes como uso demasiado da tecnologia, obsessão por fotos ou feed de mídias sociais, bullying, família e etc.

Apesar de ter grandes oscilações, o seriado pode ser maratonado de forma tranquila e sem ordem aparente. Obviamente, em minha opinião alguns são melhores que os outros porém cada um deles tem a sua importância com a mensagem que passam por trás da história retratada. Se você quer assistir algo mais leve porém meio reflexivo, essa série pode ser a escolha perfeita. Recomendo.






Música para Ouvir: Ella Renn

Ella Renn é uma cantora/compositora de apenas 19 anos com um grande potencial na área musical. Ella toca violão e piano e tenta escrever todas as suas letras. Influenciada por artistas como Taylor Swift e Julia Michaels. Sua intenção é passar todo seu sentimento e vulnerabilidade em suas músicas. Que tal acompanhar esse jovem talento? 



Eu Assisti: Mulan (Live Action)


Filme: Mulan Live Action
Lançamento: Dezembro de 2020
Gênero: Aventura, Família, Fantasia
Duração: 1 hora e 55 minutos
Distribuidor: Disney +
Nota: 2,5 de 5

Creio que todo mundo lembra o falatório que deu quando foi anunciada a adaptação do live action do desenho Mulan de 1998. Todo mundo esperava algo a altura, já que o desenho é muito querido por todos. Quando a Disney anunciou o elenco e alguns detalhes da adaptação que seriam alterados, como a ausência do dragão Muchu, ou a mudança com relação ao par romântico de Mulan que nesta adaptação é um soldado e não seu capitão. Muitas pessoas como eu se questionaram de como a Disney adaptaria esse live action com essas mudanças. O que se ficou sabendo é que o desenho de 1998 ofendeu a cultura da China na época em alguns aspectos, por conta de alguns detalhes. Sendo assim, a Disney ao fazer o live action tentou de uma forma não tão eficiente .

O longa tem uma baita produção, efeitos incríveis e uma fotografia linda, mas a Disney insistiu em fazer um filme que parecesse talvez mais sensível a cultura da China, por exatamente esse todo cuidado, eles tenham deixado de lado vários aspectos que fazem do desenho original um clássico Disney. Esse longa mais parece um filme de ação do que um live action de um desenho de uma guerreira. A magia presente no desenho original se perdeu completamente no meio de um desenvolvimento pra lá de sério, que não tem alívio comico ou os elementos essenciais que caracterizam um filme da Disney. A atuação da atriz principal é muito boa, mas a retirada das canções e outras coisas modificaram o longa completamente deixando-o comum e bem abaixo da expectativa com relação as outras adaptações para live action. Mulan me deu um certo sono, e apesar de ter uma bela mensagem e uma ótima produção não chegou aos pés do desenho de 1998.






Em Mulan, Hua Mulan (Liu Yifei) é a espirituosa e determinada filha mais velha de um honrado guerreiro. Quando o Imperador da China emite um decreto que um homem de cada família deve servir no exército imperial, Mulan decide tomar o lugar de seu pai, que está doente. Assumindo a identidade de Hua Jun, ela se disfarça de homem para combater os invasores que estão atacando sua nação, provando-se uma grande guerreira.




 


Topo